Os Miseráveis (Les Misérables), de Victor Hugo

Sempre curioso, e até mesmo fascinado, por contos e histórias que nos contam, ou passam de forma incompleta algumas pessoas experientes.
Dentre algumas destas histórias, o livro de Victor Hugo, me chamava atenção. Essa atenção, cada vez mais desperta, uma vez que esta obra servia de inspiração para compor personagens e roteiros em novelas, em palestras para comparar a conduta de algum personagem como a ideal ou não, em propagandas para mostrar um espetáculo que tenha sido exibido em teatros com sucesso…
No primeiro momento que tive oportunidade, li. Conheci, por minha própria leitura, a obra tão falada, encenada, usada como inspiração para outras tantas obras.
Gostei. Um tanto de personagens que, embora caracterizados em ambiente temporalmente distante de nós, muito perto pela sorte atribuída a cada um deles. Sorte no sentido de caminho construído por si mesmo para a vida ou decidido por outros.
Medos. Trapaças. Atitudes mesquinhas. Exploração. Armadilhas. Fugas. Amor. Altruísmo. Desprendimento. Compreensão. Mentiras. Bondade. Tudo isso é encontrado no livro. Como cada vocábulo desses não existe por si só, o personagem que os sentem ou acionam, ou atuam, desperta no leitor algumas emoções que, extrapolando um pouco, vai lembrar de várias situações que o farão comparar os sofrimentos alheios atuais, àqueles vividos pelos personagens.
Parece que o fato de o mundo girar faz com temas antiquíssimos sejam recorrentes na sociedade. Perseguição. Incompreensão. Preconceito. Estabelecimento de valores próprios como verdades absolutas . Julgamento.
Mas não deixa a esperança de lado, afinal, mesmo a vida real, que mostra o sofrimento pungente de muitos – que adia a felicidade para a qual o indivíduo vive, mostra também recompensa para muitos. Daí os sentimentos de poucos, mas que fazem a diferença. Desprendimento. Renovação. Arrependimento. Altruísmo.
Acredito que enquanto o tema se mantiver atual, esta obra ainda vai inspirar muitas outras. Que sirva, também, como espelho para as personas certas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *